terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Não tente me dizer
Que a vida é sempre assim
Que agente tem que aceitar
O modo que ela vem
Eu não sou nenhum tratado
De ternura e carinho
Só quero te dizer
Minha vida eu decido
Não escolho por escolher
O coração me guia sempre
Não sou displicente
Isso quero lhe afirmar
Que na vida a gente decide
Independente da entrega.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Estamos nesse mundo para aprender algo... E nenhum mortal está livre disso. É muito bom estar neste barco da vida e sentir todas as sensações... Sejam elas boas ou ruins, pois elas fazem parte desse itinerário humano, balançando nossos medos e certezas com suas ondas de um lado para o outro e mostrando o quanto somos vulneráveis fora do prumo.
A vida sempre terá uma nova abordagem e está esperando constantemente a nossa resposta que seja de preferência com uma atitude positiva diante dela sem questionamentos e olhando para frente. É difícil, mas é assim o mar da vida.
A maturidade das emoções nos dá uma bagagem extra para encarar as ondas que podem até nos derrubar, mas ao tocar o chão agente se levanta e lembra que estar vivo é uma benção. Sempre vamos precisar de pessoas especiais que nos sinalizem que a vida é bela,e caso essas nos faltem que agente procure não ser uma âncora na vida de ninguém. Que tenhamos a maturidade que ela seja o balão sinalizador mostrando que tem momentos que são nossos e de mais ninguém e que no nosso monólogo interior agente tente se resolver sozinho e no nosso tempo...
Acredito que na realidade estamos em busca de nós mesmos de autoconhecimento que nunca termina.
Aproveitemos essa viagem, pois a paisagem é linda de viver.
Feliz Ano Novo!
            Feliz 2015! 

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Não tenho muita intimidade contigo, mas aproveitando essa época em que você aparece como um passe de mágica, vestindo seu traje vermelho e totalmente fora da realidade e da data, pois sei que você combina melhor com o carnaval e iria fazer uma bela dupla com o Rei Momo, vocês iriam se divertir muito aqui no Brasil numa outra noite de fantasia.
Pois aqui a data e o momento não é de diversão é  pausa para uma reflexão...
Quero te dizer uma coisa que há muito tempo eu queria escrever essa cartinha para você. É um pedido papai Noel mascarado... Leve dentro do seu enorme saco de consumismo, a falta de solidariedade, a falta de sensibilidade, o egoísmo e a falsidade de algumas pessoas que nessa época do ano, se fantasiam, te imitam usando a sua máscara para iludir a outros e a si, porém quando passam essas últimas semanas de dezembro, exatamente a meia noite voltam a serem o que sempre foram... Indiferentes. Depois do banquete em volta de uma árvore sem frutos de humanidade e caridade, geralmente não se lembram dos menos desfavorecidos nessa longa e farta noite... Por favor! Leve para o seu polo norte esses corações e suas demagogias, pois combinam com o gelo que existe na sua terra.
 Papai Noel pare de roubar a cena do verdadeiro aniversariante, pois você não é digno de lavar os pés Dele... Ele é humilde e verdadeiramente humano, pois o seu olhar não passa despercebido para essas questões sociais e desiguais que precisam de um milagre e não são bem vindas magia de Natal.
O menino Jesus não carrega um saco, ele carrega as intenções do nosso coração.
Ele não está na árvore, ele é manjedoura e nos acolhe como irmãos.
Feliz Nascimento de Jesus!
O nosso abençoado presente de Natal.

Maria Emilia B. Teixeira


Quero somente te pedir: Que me dê um coração manjedoura em 2015, e que eu passe a acolher dentro de mim o simples e o verdadeiro da vida.
Feliz Natividade!

domingo, 21 de dezembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Quem carrega tinta na alma, pinta as pedras do caminho...
Desconstruindo o que foi ruim um dia.
Ressignificando... Uma antiga travessia.
Pedras importantes... Pintadas ficaram lindas!
Pontuando uma longa história de vida.


domingo, 7 de dezembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


De 15 a 50... Em um passo do tempo...
Ande devagar por favor... Não permita que eu envelheça por dentro.

Maria Emilia B. Teixeira


Quem pensa que alguns animais são indiferentes e traiçoeiros, devem se precaver com falsos humanos que se dizem amigos usando peles de cordeiro... 
Não tenho o dom de ser pastora de um rebanho de falsidades...
Não importa a sua pluralidade... Mas caminham ao meu lado alguns amigos verdadeiros carregando dentro de si o bem querer... Fruto da sua humanidade.


sábado, 29 de novembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Não espere o mundo bater nas suas costas para te explicar as voltas que ele precisa fazer.
Às vezes um pé no chão evita muitos tombos.
Ele não gira em torno de nós.
Ele gira para esbarrar nos medos, nas certezas... Somente para movimentar o enfrentamento aos desafios do cotidiano.
Coloque uma saia rodada ou outro traje qualquer.
Vire-se, encare-o de frente e acompanhe a sua rotação.
Quem sabe bem lá na frente... Conseguiremos agradecer.
Ao invés de reclamar.

Maria Emilia B. Teixeira


A chave do nosso valor está no nosso porta joias chamado coração, e Deus sabe quem sim e quem não.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Em um bater de porta, ela também bateu as asas... E viajando para o seu mundo... Se encontrou.

Maria Emilia B. Teixeira

Existem pessoas difíceis, que se formos analisá-las com o tempo, no fundo percebemos que elas são legais e que tem algo de bom nelas. Mas tem outros casos em que no fundo de algumas pessoas não se encontra nada.... Nem elas próprias, viraram território de qualquer coisa oca.

sábado, 22 de novembro de 2014

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


O tecido da minha alma é transparente, portanto vai ser muito difícil alguém me ver estampando falsas aparências nesse tecido personalizado que eu sou.

domingo, 2 de novembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Não repare os meus cabelos, adivinhe meus pensamentos.
Não repare minhas roupas, pense que dentro delas tem gente.
Não repare meu perfume, sua fragrância é a minha presença.
Não repare meu falar, meu sotaque é carioca da gema.
Não repare meu caminhar, elegância vem de berço.
Uma coisa eu te peço. Repare-me bem devagar... Mas somente nas minhas entrelinhas...


sábado, 25 de outubro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Coração quando muda de cor... É sinal que passou por alguma fase.
Feito filhote de passarinho no ninho, fica esperando o acaso... Para voltar  abrir as suas asas, em um momento chamado de mágico.

sábado, 18 de outubro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Hoje resolvi nublar, eu estava agendando o  momento da pausa... Mas tempestade não dá para segurar.
A chuva que esta caindo aqui, pode estar caindo agora em seu quarto.
A tempestade passa... O arco iris sempre volta.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira

A minha caixa de lápis de cor não tem todas as cores que eu queria que tivesse, mas vou pintando a vida conforme dá.
A minha sorte é que eu sei desenhar.
Onde tem sombra coloco a luz da fé iluminando o meu traço mudando a forma e cor do que parece incomodar.
Na sombra também podemos repousar, repensar e recomeçar.
O desenho precisa dos dois sombreados para ser finalizado e apreciado.
Não dá para fugir do aprendizado.

Maria Emilia B. Teixeira


Quando o coração quer conversar é preciso escutar... Os toques da intuição chegam primeiro nele o deixa apertado, querendo dialogar.
Seu intuito é nos avisar o que muitas das vezes já sentimos e sabemos, mas tentamos subestimar.

domingo, 7 de setembro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


De repente me vejo com 50.
Permiti a chance das mudanças.
Não sou a mesma pessoa de ontem.
Amadureci...
Ninguém pode me julgar, pois isso é com Deus.
O melhor da gente quase ninguém sabe.
Escutar bobagens não faz parte da minha bagagem.
Ficam todas caídas na estrada.
Menos peso, pois não conheço os atalhos da vida e a leveza agora é a minha companheira.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Não uso nenhum anel na mão esquerda como acessório.
Não uso nada que comprometa a minha vida.
Motivo: Anular fechado para alianças.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Saudade de abraçar e tocar em todos os rostos das minhas raízes... Eles são os únicos em minha vida de verdade e de onde vem à força para a vida significar.

Maria Emilia B. Teixeira


O livro me segurou pelas mãos em todos os momentos de solidão, nesses momentos em que diálogos vazios não me acrescentavam com ninguém...Com ele eu gasto o meu tempo.
Meu caso com os livros é antigo... Começou na infância quando li e me apaixonei.
Com ele fiz à minha primeira viagem no transporte das letras que abriram a minha caixa do pensar e todos os dias dorme um ao meu lado, doce calmante viciante que me faz sonhar e me identificar.

domingo, 3 de agosto de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Já não tenho as respostas e nem adianta a vida modificar suas perguntas, cansei de responder questionários.
Sem escudo e peito aberto.
Seja o que Deus quiser para minha vida.

domingo, 27 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Com problemas de anatomia.
Já não sei se trago aqui no meu peito. Um livro ou um coração.
Quando morrer tenho apenas um desejo... Carregar um livro em minhas mãos.
Pode ser de minhas memórias... Ou de algum poeta que eu ame: Rubem, Carlos, Manuel, Vinícius...
As flores?  Quero em vida.
Existe tempo de montão.
Receber flores é especial e emocionante... Não tem valor para quem já está expirado.
Elas não combinam com momentos finais. Chover lágrimas sobre elas isso é muito triste, porque flor Rir.
Florir para a vida.

Maria Emilia B. Teixeira


Eu sei que Deus existe, eu sinto o peso de seus desígnios em meus ombros.
Não vou chorar... Cheguei à conclusão que lágrimas humilham a alma.

sábado, 26 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


A verdade é que já não me sinto letra há muito tempo...
Não me adéquo em nenhum texto pronto, sem entrega e comprometimento.
Aqui dentro eu carrego um longo texto numa reconstrução cautelosa.
Isso não tem nome de revolta... É apenas um reflexo de uma volta que a vida me deu.

sábado, 19 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


A bandeira brasileira ficou menos amarela.
Empalideceu e emudeceu com sua partida precoce...
Ficamos órfãos.
Por essa lacuna intelectual devemos chorar e lamentar.
Desconfio que os ipês também estão chorando por Rubem Alves.
Agora ficamos com a esperança que as sementes plantadas dos saberes se transformem em ipês amarelos.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

domingo, 6 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


As palavras se ausentaram nesse fim de semana.
Algumas se refugiaram na mente na tentativa de se entender com os pensamentos.
Outras se sentaram ao lado do coração e entenderam que tem dias que esses dois precisam de pausas e silêncios na conversa entre eles.
Até o tempo respeitou e nublou nesse início de julho.
A pressão aumentou... E quase meu coração parou.
Mas o folego é de gata que tem garra e que sabe que a fortaleza vem de momentos assim... Que não duram para sempre.
Dias e meses melhores virão... Fé na vida sempre!

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira

Sou brasileira!
Quero ter orgulho do meu país não somente pelo futebol, praia e carnaval.
Queria poder me orgulhar da justiça, da igualdade, da educação etc...
Um país que honrasse a verdadeira ordem e progresso que trás como lema em sua bandeira, pois o seu povo já está cansado de falácias sem nenhuma mudança.
Quero governantes que vistam a camisa da ética.
E que tenha um povo que saiba exercer o seu poder de mudança no seu voto consciente e não em troca de bolsas disso e daquilo, um assistencialismo doente e viciante.
Quem vende o voto se iguala a quem compra.
Pense nisso!
Você é igual a essa corja?
Essa é a minha opinião.
Acredito que ainda podemos ter opinião própria no Brasil.
Vamos ser hexacampeão!
Em tópicos básicos que uma nação precisa.

domingo, 22 de junho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Felicidade é essa criança sem idade que bagunça a nossa vida, e que todo mundo tem a velha mania de tê-la presa em seus álbuns de fotos e diários para que fique eternizada e registrada a sua passagem... Felicidade é livre... Escolhe qualquer um. 
Ela tem como irmã a sua sorte.
Ela nos faz acreditar que devemos deixar a porta do coração sempre aberta sem se importar com as tempestades que caem em qualquer hora... Provavelmente ela vai e volta e sempre traz consigo um amigo de nome arco- íris, que apresenta novas possibilidades a sua escolha.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Quando suas palavras tirarem as minhas para dançar e os pingos nos is nós conseguirmos colocar. Estaremos prontos e unidos para um novo texto de vida em duas mãos começar. 

sábado, 10 de maio de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Ter uma mãe morta.
É conviver com um nó na garganta que não se desfaz com o tempo...
NUNCA! Nunca mesmo.
É ter o coração machucado pela senhora saudade...
É ter somente um filme na memória de uma grande mulher por mim amada.
Nosso contato foi cortado...Nunca vou entender isso.
Mas te trago aqui no meu peito.Dentro do meu coração.
Aqui você sempre estará viva.
Mãe obrigada!  Por você fui incondicionalmente amada.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Sou um pouco dramática.
Não sei sentir de outra forma.
Quando novos elementos surgem atrapalhando a minha história.
Tem pessoas que viram pedra por terem perdido o seu significado.
Topar com elas no caminho não é algo agradável...
Doem os pés na fuga... Dói à alma.
O coração nem se fala...
Ele não quer lembrar de antigos machucados.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


De vez em quando a gente precisa debochar da vida com um sorriso já que ela esta te provocando o tempo todo. Essa é a resposta de quem é do bem  e de quem tem forças para dar a volta por cima.
No fundo a vida quer ver a nossa força e coragem.

domingo, 13 de abril de 2014

Maria Emilia B. Teixeira



Para quem eu faço as perguntas que não terão respostas por serem ininteligível a mim e ao labirinto que às vezes eu me vejo?
O meu conforto vem Dele que vê em cada gota da minha lágrima o tipo de sentimento que a fez cair.
Com o tempo vem à resposta justa de quem confia na justiça de quem manda até nos ventos.
Eu mesma já me peguei no colo e me dei um abraço e conversei comigo e falei:
Vamos combinar uma coisa?
A gente é forte... A gente tenta sempre ser.
Não importa o vento contrário de algumas palavras mal arrumadas que podem até balançar e despentear as nossas certezas.
Está nas minhas próprias mãos a força de uni-las em uma oração.
Porque sempre terão momentos e horas na vida que são pontuadas somente com uma única digital.
A gente tem que aprender que mesmo rodeada de pessoas que nos amam existe sempre aquela hora que é só sua..

sexta-feira, 28 de março de 2014

Maria Emilia B. Teixeira



Dizer que dinheiro não traz felicidade é uma velha conversa... Tão velha que ela já caducou e não tem a mínima noção do que falou e nem com quem conversou.

sábado, 22 de março de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


A minha vida... Eu seguro com as duas mãos...
Só tenho essa para viver.
Ela e de minha total responsabilidade.
Cada um tem a sua... Faça a sua valer.
Doa a quem doer.
Esse é o requisito básico para sair da zona de conforto e descer do muro de lamentações.
O sonho determina a busca, a escolha, o provável acerto ou esbarrar na dona sorte.
As escolhas da minha vida... Tão minha...
Às vezes vai doer também em mim quando eu errar.
Mas jamais irei deixar de sempre tentar para um dia acertar.

domingo, 9 de março de 2014

sábado, 8 de março de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


A vida é um livro ponto marcando... Hora das chegadas, suas datas e saídas.
De momentos e pessoas que fazem ou fizeram um registro na nossa vida.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Coloque-se no lugar de qualquer pessoa que esteja atravessando uma parte de sua vida pelo caos e ao sentir sua dor verás que não foi preciso conhecê-la profundamente para entender a sua situação. Quem tem um coração e consegue enxergar o outro como irmão, já cumpriu uma parte de sua missão... A da solidariedade.

Maria Emilia B. Teixeira

Nenhum caminho  se cruza por acaso,o encontro é feito pela mão de Deus cruzando a linha do asfalto.