sábado, 10 de maio de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Ter uma mãe morta.
É conviver com um nó na garganta que não se desfaz com o tempo...
NUNCA! Nunca mesmo.
É ter o coração machucado pela senhora saudade...
É ter somente um filme na memória de uma grande mulher por mim amada.
Nosso contato foi cortado...Nunca vou entender isso.
Mas te trago aqui no meu peito.Dentro do meu coração.
Aqui você sempre estará viva.
Mãe obrigada!  Por você fui incondicionalmente amada.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Sou um pouco dramática.
Não sei sentir de outra forma.
Quando novos elementos surgem atrapalhando a minha história.
Tem pessoas que viram pedra por terem perdido o seu significado.
Topar com elas no caminho não é algo agradável...
Doem os pés na fuga... Dói à alma.
O coração nem se fala...
Ele não quer lembrar de antigos machucados.