domingo, 27 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


Com problemas de anatomia.
Já não sei se trago aqui no meu peito. Um livro ou um coração.
Quando morrer tenho apenas um desejo... Carregar um livro em minhas mãos.
Pode ser de minhas memórias... Ou de algum poeta que eu ame: Rubem, Carlos, Manuel, Vinícius...
As flores?  Quero em vida.
Existe tempo de montão.
Receber flores é especial e emocionante... Não tem valor para quem já está expirado.
Elas não combinam com momentos finais. Chover lágrimas sobre elas isso é muito triste, porque flor Rir.
Florir para a vida.

Maria Emilia B. Teixeira


Eu sei que Deus existe, eu sinto o peso de seus desígnios em meus ombros.
Não vou chorar... Cheguei à conclusão que lágrimas humilham a alma.

sábado, 26 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


A verdade é que já não me sinto letra há muito tempo...
Não me adéquo em nenhum texto pronto, sem entrega e comprometimento.
Aqui dentro eu carrego um longo texto numa reconstrução cautelosa.
Isso não tem nome de revolta... É apenas um reflexo de uma volta que a vida me deu.

sábado, 19 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


A bandeira brasileira ficou menos amarela.
Empalideceu e emudeceu com sua partida precoce...
Ficamos órfãos.
Por essa lacuna intelectual devemos chorar e lamentar.
Desconfio que os ipês também estão chorando por Rubem Alves.
Agora ficamos com a esperança que as sementes plantadas dos saberes se transformem em ipês amarelos.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

domingo, 6 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira


As palavras se ausentaram nesse fim de semana.
Algumas se refugiaram na mente na tentativa de se entender com os pensamentos.
Outras se sentaram ao lado do coração e entenderam que tem dias que esses dois precisam de pausas e silêncios na conversa entre eles.
Até o tempo respeitou e nublou nesse início de julho.
A pressão aumentou... E quase meu coração parou.
Mas o folego é de gata que tem garra e que sabe que a fortaleza vem de momentos assim... Que não duram para sempre.
Dias e meses melhores virão... Fé na vida sempre!

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Maria Emilia B. Teixeira

Sou brasileira!
Quero ter orgulho do meu país não somente pelo futebol, praia e carnaval.
Queria poder me orgulhar da justiça, da igualdade, da educação etc...
Um país que honrasse a verdadeira ordem e progresso que trás como lema em sua bandeira, pois o seu povo já está cansado de falácias sem nenhuma mudança.
Quero governantes que vistam a camisa da ética.
E que tenha um povo que saiba exercer o seu poder de mudança no seu voto consciente e não em troca de bolsas disso e daquilo, um assistencialismo doente e viciante.
Quem vende o voto se iguala a quem compra.
Pense nisso!
Você é igual a essa corja?
Essa é a minha opinião.
Acredito que ainda podemos ter opinião própria no Brasil.
Vamos ser hexacampeão!
Em tópicos básicos que uma nação precisa.